Por enquanto vou de Kubuntu!

É, infelizmente não deu, acredito que já faz um ano que estou tentando me adaptar ao Unity e, simplesmente, não consegui.
Motivos tenho de sobra e aqui vão alguns.
1- Sou usuário de notebook e não de tablet ou netbook;
2- Tenho um sério problema, preciso ver meus aplicativos (janelas) minimizados, nunca usei a opção de auto-ocultar nos paineis. Para mim, é muito mais fácil olhar para o painel no canto inferior da minha tela e clicar no aplicativo que eu quero que seja restaurado.
3- Simplesmente o Unity é muito lento, talvez seja pela incompatibilidade com minha placa de vídeo ATI, ainda não descobri. Sem contar os travamentos.
4- A área de notificação é terrível, por que não fazer igual ao Gnome?

 

Sinceramente, o Gnome Shell me supriu as necessidades estou usando no meu desktop (que tem placa de vídeo NVIDIA) mas ele ainda possui dois problemas que não tive como solucioná-lo.
1- Incompatibilidade com o driver da placa ATI, só funciona com driver genérico e, infelizmente, mesmo assim ainda ocorre crashes.
2- Não consegui instalar a extensãoque adiciona a lista das janelas minimizadas. Pode ser desconhecimento, o fato é que não funcionou.

Depois de tantos problemas, resolvi testar o KDE, dei um sudo apt-get install kubuntu-desktop e comecei a utilizá-lo.
Assim como o meu antigo Gnome ele, simplesmente, funciona. Tem alguns probleminhas mas nenhum deles me impediu de usar, não fez perder trabalho e está bem rápido.
Tenho esperanças que o Gnome Shell ainda melhore e muito e o Unity também, mas o Unity não tem como usá-lo pois, discordo do seu propósito.

Por hora, graças a liberdade do linux,  ficarei com o KDE (kubuntu).

Novo Ubuntu: Unity ou Gnome?

  A última versão (11.04) do Ubuntu foi lançada. Dentre as novidades e mudanças a principal é a alteração do desktop padrão Gnome para o Unity.
Tenho usado o Ubuntu desde a versão 6.04 e, de todas as novas versões, essa é a que mais me afetou.
Cheguei a pensar que o Ubuntu não estaria mais adequado ao meu perfil de usuário. Não que isso seja um problema no Ubuntu mas sim uma opção minha.
Existem mudanças que ainda vão me fazer arrancar alguns cabelos tais como:
– a remoção dos tty1, tty2, ttyn através dos atalhos ctrl+alt+Fn. Geralmente quando tinha problemas com o X apenas acessava um desses terminais e reiniciava o serviço GDM. Hoje ainda não sei como resolverei sem ter que reiniciar o computador.
– remoção da aba de efeitos nas configurações de aparência do Gnome, caso opto por ele ao invés do Unity;
Por essas e outras mudanças comecei a reclamar muito utilizando e testando sozinho essa nova versão. Foi quando parei e pensei:
-Você agindo como um usuário Windows tentando utilizar o Linux, reclamão e preguiçoso e isso é errado!
O Unity é diferente e muito do habitual Gnome, mas se continuar usando Ubuntu então vou teimar (tentar) no Unity. É óbvio que ele tem muito o que melhorar, não creio que esperar essas mudanças seja o ideal, pretendo estar ágil neste ambiente quando essas mudanças chegarem.
Espero que tenha, no Unity, o retorno da produtividade que tenho com o Gnome o quanto antes, isso fará com que possa focar na exploração  das opções de configurações que, em algum lugar, devem existir 🙂 .
Acredito que mudanças sempre virão acompanhadas de muitas críticas, positivas ou não. Só espero que essas críticas sejam bem aproveitadas pelo pessoal da Canonical.
A única mudança que, na minha opinião, não é aceitável é a estabilidade e o desempenho em relação ao hardware. Esses devem ser preservados ou melhorados, jamais deixados de lado em função de design ou qualquer outro motivo.
Faz um dia que uso o Unity, por enquanto tudo bem.