Por enquanto vou de Kubuntu!

É, infelizmente não deu, acredito que já faz um ano que estou tentando me adaptar ao Unity e, simplesmente, não consegui.
Motivos tenho de sobra e aqui vão alguns.
1- Sou usuário de notebook e não de tablet ou netbook;
2- Tenho um sério problema, preciso ver meus aplicativos (janelas) minimizados, nunca usei a opção de auto-ocultar nos paineis. Para mim, é muito mais fácil olhar para o painel no canto inferior da minha tela e clicar no aplicativo que eu quero que seja restaurado.
3- Simplesmente o Unity é muito lento, talvez seja pela incompatibilidade com minha placa de vídeo ATI, ainda não descobri. Sem contar os travamentos.
4- A área de notificação é terrível, por que não fazer igual ao Gnome?

 

Sinceramente, o Gnome Shell me supriu as necessidades estou usando no meu desktop (que tem placa de vídeo NVIDIA) mas ele ainda possui dois problemas que não tive como solucioná-lo.
1- Incompatibilidade com o driver da placa ATI, só funciona com driver genérico e, infelizmente, mesmo assim ainda ocorre crashes.
2- Não consegui instalar a extensãoque adiciona a lista das janelas minimizadas. Pode ser desconhecimento, o fato é que não funcionou.

Depois de tantos problemas, resolvi testar o KDE, dei um sudo apt-get install kubuntu-desktop e comecei a utilizá-lo.
Assim como o meu antigo Gnome ele, simplesmente, funciona. Tem alguns probleminhas mas nenhum deles me impediu de usar, não fez perder trabalho e está bem rápido.
Tenho esperanças que o Gnome Shell ainda melhore e muito e o Unity também, mas o Unity não tem como usá-lo pois, discordo do seu propósito.

Por hora, graças a liberdade do linux,  ficarei com o KDE (kubuntu).

Novo Ubuntu: Unity ou Gnome?

  A última versão (11.04) do Ubuntu foi lançada. Dentre as novidades e mudanças a principal é a alteração do desktop padrão Gnome para o Unity.
Tenho usado o Ubuntu desde a versão 6.04 e, de todas as novas versões, essa é a que mais me afetou.
Cheguei a pensar que o Ubuntu não estaria mais adequado ao meu perfil de usuário. Não que isso seja um problema no Ubuntu mas sim uma opção minha.
Existem mudanças que ainda vão me fazer arrancar alguns cabelos tais como:
– a remoção dos tty1, tty2, ttyn através dos atalhos ctrl+alt+Fn. Geralmente quando tinha problemas com o X apenas acessava um desses terminais e reiniciava o serviço GDM. Hoje ainda não sei como resolverei sem ter que reiniciar o computador.
– remoção da aba de efeitos nas configurações de aparência do Gnome, caso opto por ele ao invés do Unity;
Por essas e outras mudanças comecei a reclamar muito utilizando e testando sozinho essa nova versão. Foi quando parei e pensei:
-Você agindo como um usuário Windows tentando utilizar o Linux, reclamão e preguiçoso e isso é errado!
O Unity é diferente e muito do habitual Gnome, mas se continuar usando Ubuntu então vou teimar (tentar) no Unity. É óbvio que ele tem muito o que melhorar, não creio que esperar essas mudanças seja o ideal, pretendo estar ágil neste ambiente quando essas mudanças chegarem.
Espero que tenha, no Unity, o retorno da produtividade que tenho com o Gnome o quanto antes, isso fará com que possa focar na exploração  das opções de configurações que, em algum lugar, devem existir 🙂 .
Acredito que mudanças sempre virão acompanhadas de muitas críticas, positivas ou não. Só espero que essas críticas sejam bem aproveitadas pelo pessoal da Canonical.
A única mudança que, na minha opinião, não é aceitável é a estabilidade e o desempenho em relação ao hardware. Esses devem ser preservados ou melhorados, jamais deixados de lado em função de design ou qualquer outro motivo.
Faz um dia que uso o Unity, por enquanto tudo bem.

Criando uma distro personalizada com Remastersys.

Estava precisando criar uma solução completa para a distribuição de um dos sistema da empresa a qual trabalho. Esse sistema precisa de um ambiente completo,  ou seja, um conjunto de aplicações e configurações necessárias para o mesmo ser utilizável.

Dentre minhas pesquisas do Google encontrei o Remastersys. Com esta ferramenta é possível criar uma imagem ISO personalizada para distribuição (meu caso) ou mesmo um backup instalável do seu sistema, exatamente como ele se encontra.
Além de ser o SO personalizado e instalável, esta imagem, é também um live CD/DVD o qual é possível testar antes de instalar efetivamente no computador.
Para criar uma ISO personalizada segui os seguintes passos:
– adicionar o link do repositório do remastersys no seu sources.list:
$ sudo echo “deb http://www.geekconnection.org/remastersys/repository karmic/” >> /etc/apt/sources.list
Este mesmo repositório funciona para o Ubuntu 10.04 (Lucid). Aqui também vale um atento, para o Ubuntu com grub2 (Karmic em diante) é necessário a versão 2.0.13-1 do remastersys caso contrário adicione o repositório de uma versão mais antiga existente no site do projeto.
$ sudo apt-get update && sudo apt-get install remastersys
Após a instalação você pode ir ao terminal e digitar:
$ remastersys
serão exibidas as opções possíveis de utilização. Dentre as existentes, para solução que desejava, utilizei as:
– remastersys dist cdfs: esta opção cria no diretório /home/remastersys/remastersys um sistema de arquivo completo para distribuição em CD/DVD.
– remastersys dist iso custom.iso: esta opção cria a imagem (custom.iso) baseado no sistema de arquivos criado na opção anterior.
Não é necessário executar a primeira opção sempre que desejar fazer uma iso do sistema, esta opção é interessante para fazer algumas personalizações (papel de parede, fundo do menu inicial da iso, etc…) na iso quer será gerada. Após o término da execução do segundo comando existirá o arquivo custom.iso no diretório /home/remasatersys/remastersys.
Algumas observações:
– o arquivo não precisar ser nomeado custom.iso, pode ser qualquer nome .iso;
– o funcionamento é simples quando usa-se o Ubuntu Desktop, com o Ubuntu Server, que não possui interface gráfica e nem a opção de live cd por padrão, pode-se encontrar alguns problemas de percursso.
– sugiro utilizar o VirtualBox para criar o ambiente limpo somente com as aplicações/configurações necessárias para a iso a qual deseja criar.
Referências:

Usando Synergy para compartilhar teclado e mouse

A revista INFO publicou uma ótima dica para compartilhamento de periféricos entre computadores. Dentre os softwares citados o que chamou mais atenção foi o Synergy. Com ele consegui compartilhar o teclado e mouse entre notebook e desktop de forma simples e rápida. É comum utilizarmos a saída VGA do notebook plugando um monitor e “alongando” a área de trabalho. Particularmente, não gosto dessa forma pois, ter que gerenciar a disponibilidade das janelas entre um monitor e outro é um tanto chato.
No Synergy consegui fazer o inverso, compartilho mouse e teclado de forma transparente entre os dois computadores. Para isto basta fazer o seguinte:

Em ambos computadores digite: sudo apt-get install synergy

Após instalação você terá dois aplicativos synergyc (client) e synergys (server).
No computador que será o server crie um arquivo chamado synergy.conf. Você pode salvá-lo em qualquer lugar, para efeito de padronização coloquei o meu em /etc/synergy.conf.
O conteúdo do arquivo deve ser:

section: screens
screen1:
screen2:
end
section: links
screen1:
right = screen2
screen2:
left = screen1
end

Screen1 e screen2 devem ser substituídos pelos respectivos hostname de cada computador. Para iniciar o servidor basta digitar: synergys -f –config /etc/synergy.conf. A opção -f é o modo verbose e serve para verificar se a configuração está correta. Se a configuração estiver ok ela pode ser suprimida. Agora no computador cliente digite: synergyc -f hostname-servidor. A opção -f tem o mesmo efeito que no servidor.
Se tudo ocorreu bem, quando o mouse chegar a extremidade do monitor de um pc ele irá automaticamente “aparecer” no outro pc. Neste momento o teclado também estará disponível para o outro computador. (vídeo abaixo).

Esta forma de compartilhamento considero mais vantajosa pois não deixa um computador ocioso, usufruo de todos recursos disponíveis de forma rápida e transparente.
Vale uma observação, no meu ambiente, tanto meu notebook quanto meu desktop possuem o mesmo usuário com a mesma senha e não precisei utilizar o usuário root (sudo) para iniciar os compartilhamentos, porém, ao executar em um ambiente com usuários diferentes, o compartilhamento só funcionou através do usuário root (sudo).
Outra observação, as máquinas devem se reconhecer na rede via hostname, se você não tem um servidor de dns interno que faça isso, basta adicionar no arquivo /etc/hosts de cada pc o ip e o hostname referente de cada computador. Para testar se as máquinas conversam entre si via hostname, execute um ping passando como parâmetro o hostname ao invés do ip da máquina.

Ex.: ping screen1

Pelo pouco que li no site oficial, perecebi que esta é apenas umas das muitas outras utilidades do Synergy, vale a pena testar novas configurações.

Primeiras Impressões Ubuntu 10.04 (Lucid Lynx)

No final de Abril será lançado oficialmente o Ubuntu 10.04 cujo nome é Lucid Lynx (LTS), apesar disso já é possível atualizar sua versão antiga para esta que está no forno. Foi exatamente o que fiz. Como muitos já leram em diversos blogs, existem inúmeras mudanças destacadas. Comentarei aqui as mudanças e novidades que me chamaram a atenção.
A principal mudança, inclusive a que me fez atualizar antes mesmo do lançamento oficial, foi a sincronização com o iPod Touch (iTouch). Após atualizar a minha antiga versão só tive que conectar o meu iTouch e, ao contrário da versão anterior que nada acontecia além de montar o driver de fotos, o Ubuntu já me questionou se desejava executar o Rhythmbox. Aceitando a sugestão, todas músicas do meu iTouch já estavam disponíveis no software. Selecionei minha biblioteca de músicas do computador e arrastei um albúm qualquer para o meu iTouch listado como media removível. No mesmo instante o display do iTouch exibiu que existia uma sincronização em progresso, “works like charming”. Sincronização terminada fui verificar se as músicas, assim como a capa do álbum estava disponível no iTouch. Pronto! Só com esta novidade ganhei 4Gb de espaço no HD do meu notebook excluindo a máquina virtual do Windows que usava apenas para sincronização com iTunes.
Outra novidade é o novo tema, muitíssimo bonito! Junto com o tema uma mudança que ouvi falar tanto bem quanto mal foi a mudança da posição dos botões de minimizar, maximizar e fechar as janelas. Assim como no Mac OS eles estão do lado esquerdo agora. Confesso que, de imediato, incomodou um pouco até que, certo dia que estava utilizando a versão 9.10 no trabalho, descobri a real finalidade, na minha opinião, desta troca de lado dos botões. Não sei com vocês mas, inúmeras vezes comigo, as notificações atrapalhavam a utilização desses botões pois ficavam exatamento no que eles na vesão antiga.  Utilizando os botões do lado esquerdo isso não acontece, justamente por isso, na empresa, onde não atualizei meu SO ainda, já troquei a posição dos botões para esquerda também. Não sei se foi esse o motivo que o pessoal do Ubuntu alterou a posição dos botões mas esse motivo que descobri justifica sem dúvida.
Falando em notificações, esta é uma outra mudança ocorrida, MyMenu onde ficam todas as notificações de mensagens instantâneas (msn, gtalk, jabber, etc…) e de broadcasting (twitter). O programa padrão de mensagem instantânea, desde a versão anterior, é o Empathy e para twitter é o Gwibber. O Gwibber, da versão anterior para essa nova melhorou muito mas ainda não é o meu preferido, até tentei utilizá-lo por algum tempo logo que atualizei porém, um recurso muito interessante que a maioria dos outros clientes possuem e que não encontrei no Gwibber é o envio de imagens. Não visitei o site do projeto mas acredito que seja algo programado para futuras versões. Outro deficiência, esta já não sei se é do Gwibber ou do sistema novo de notificação por ser uma versão candidata ainda, é que o Gwibber só notificava mensagens que continham @tonismar (meu twitter). Perguntei para algumas pessoas que já estão usando a mesma versão e eles não tiveram esse problema. Já o Empathy como cliente de mensagem instantânea deixa bem mais a desejar pois, querendo ou não, a maioria dos meus contatos ainda usam o programa de mensagens instantâneas do Windows, messenger. A compatibilidade do Empathy com este protocolo é bem precário, não é possível nem mesmo enviar arquivos para seus contatos. Seria interessante a comunidade mirar seus esforços para melhorar essa compatibilidade.
Notei uma melhora na velocidade de Boot considerável também.
Porém, algo que realmente me incomoda e que ainda nesta versão não houve nenhuma melhora, é a lentidão irritante do Nautilus. Possuo uma biblioteca de músicas considerável, também possuo uma considerável lista de filmes e séries. Com Nautilus, simplesmente não consigo acessar esses diretórios, o Nautilus fica tentando até que o processo do Nautilus morre. Minha solução atualmente é utilizar o Thunar como substituto no gerenciamento de arquivos. Ele realiza muito bem esta tarefa é muito rápido. Fica a dica.
No geral estou contente, como sempre, com esta nova versão do Ubuntu, lembrando que estou usando uma versão ainda não oficial e não tive problemas. Diferente das vesões anteriores onde sempre esperava uma ou até duas semanas para atualização desta vez me adiantei. Parabéns mais uma vez para a comunidade, só lamento não ter auxiliado na tradução com fiz em versões anteriores, ando meio ocupado, porém para o 10.10 pretendo participar mais.

Ubuntu sempre me surpreendendo!

Imagem0197

Em umas visitas que fiz na Sta. Efigência adiquira essa webcam (Dr. Hank), o valor eu nem lembro porque já fazem alguns anos, porém, para minha tristeza, ela não era compatível com Linux. Tentei inúmeras formas, compilando drivers, kernels, etc.. Sofro com ela desde o Ubuntu 6.10. No fim da história acabei adquirindo outra webcam que era compatível com Linux. Desisti de tentar fazê-la funcionar. O único esforço que despendia nela era, a cada lançamento de uma nova versão do Ubuntu, lá ia eu procurar a webcam e espetar na USB torcendo para que esta funcionasse. E nada acontecia, além de crashs no X. Foi quando no dia 25 de Abril de 2009 após atualização da última versão do Ubuntu, espeto a webcam na USB, abro o Amsn e lá estava eu sendo filmado por ela. A felicidade foi instantânea mas não suficiente, foi aí que resolvi ser mais ousado e testar o microfone embutido, fui para tela de configurção e coloquei para gravar, fiquei falando e mandei soltar a gravação e, mais uma vez, nova felicidade.

Tudo isso prova que, para os que falam que grande parte das atualizações são temas, telas de login e etc… existem muitas atualizações que estão lá nas entranhas onde a maioria dos usuários nem imagina que possa existir.

Já que tudo era felicidade, não me contive e na onde de que era o dia de tudo funcionar, lá foi eu espetar o meu Nokia 3600 slide que também jamais foi reconhecido pelo Linux. Perfeito, em minutos o Nautilus me jogou os diretórios do meu Nokia na tela.

Pronto! A felicidade era completa? De maneira alguma, como se não bastasse fui fazer um pequeno teste naquele pseudo sistema operacional, fiz um boot e espetei a mesma webcam na USB. A famosa tela perguntando se quero que o sistema encontre um drive para o meu dispositivo brilhou na tela. Sim, por favor, encontre um drive para mim “ó mestre”!

Três minutos de espera e a seguinte mensagem foi mostrada:

01ax0

Ok agora sim felicidade completa!

É, realmente prefiro meu Ubuntu “difícil de usar” do que outros SOs que se dizem mais fáceis.

Só tenho que agradecer a comunidade e continuar sempre tentando, de qualquer forma, deixar minha contribuição.

USB -> MTP é preferência sobre UMS/MSC Ubuntu 9.04

Se você como eu teve problemas ao conectar seu mp3/4 player no novo Ubuntu só sendo reconhecido sobre MTP, pesquisando descobri que é um bug cadastrado no launchpad. A solução temporária para o problema segue abaixo:

edite o arquivo /usr/share/gvfs/remote-volume-monitors/gphoto2.monitor que deve estar com o conteúdo abaixo:


[RemoteVolumeMonitor]
Name=GProxyVolumeMonitorGPhoto2
DBusName=org.gtk.Private.GPhoto2VolumeMonitor
IsNative=false

altere a linha IsNative para true ficando desta forma:


[RemoteVolumeMonitor]
Name=GProxyVolumeMonitorGPhoto2
DBusName=org.gtk.Private.GPhoto2VolumeMonitor
IsNative=true

É necessário reiniciar o computador.

Fonte: https://bugs.launchpad.net/ubuntu/+source/gvfs/+bug/330383/comments/3

Ubuntu 9.04 Vostro 1310 updated!

screenshotAcabei de atualizar meu Ubuntu, com exceção do gerenciador de janelas Maximus, tudo ocorreu perfeitamente bem. Nenhum hardware deixou de funcionar.

Ao contrário do que fazia geralmente. Esperar postagem de atualizações e possíveis problemas encontrados, desta vez eu não esperei, minha confiança no Ubuntu está ótima e resolvi instalar sem receio.

O que aconteceu com o Maximus é que, quando maximizava as janelas elas perdiam a barra de título, não encontrei solução então desabilitei o Maximus da inicialização de minha sessão.

É isso aí, esse Ubuntu cada vez melhor!

John C. Dvorak fã de Ubuntu (Info Abril/2009)

tuxblog

Na revista Info do mês de Abril a coluna do John Dvorak questiona o por quê dos donos de empresas continuarem a pagar pelo monte de código velho de empresas que mantêm seu software estagnado a décadas.

Ele fala muito bem do AbiWord, seu editor atual substituto do Word, cita outro software (Haansoft pago) que é mais parecido com o pacote Office para quem já está por demais acostumado com os aplicativos do Office.

Fico feliz  quando vejo o Ubuntu (ou qualquer outra distribuição) ganhando prestígio e sendo reconhecido como uma opção de qualidade e viável para substituição de programas pagos e fechados.

Vale a pena ler a coluna na íntegra.

Fonte: Info